não dizemos, eles dizem

É preciso dizer, não se consegue parar de amar parece flecha em voo, e eterna. Nem sempre é. O amor não tem jeito, nem acomodação, existe ou não existe; o ficar com / ficar junto já é lá outra história, outro acerto, pode ser, não muda de cadeira, ninguém levanta…Complicações. Beth Mattos

“Suponho que eu tivesse algum dia amado minha mulher, já não a amava, e pronto. Outro fato. Está claro, não? Então, o golpe, se golpe houvesse, seria aparado. Porque enfim a dor, quando se ama, vem de não ser mais amado e, depois de saber que aquela que se ama ama outro.” (p.159) George Simenon in CARTA A MEU JUIZ

Esquisita ignorância, vaidade e prepotência ao se tratar / se pensar / se imaginar do que foi – uma leveza! uma risada! um brinquedo! um não saber nada de nada. Como se a mágoa apertada de uma expectativa fosse o fel, fosse ferro, fosse dor absoluta e não apenas, encontro no desencontro, vergonhoso medo de ser… um baile, com dança, com hora e com fim. Elizabeth M.B. Mattos – julho de 2019 – Torrres

Um comentário sobre “não dizemos, eles dizem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s