resmungo

Se o sono não chega, eu te chamo, resmungo. Depois eu te chamo, insistentemente, outra vez. Escuta. Preciso de ti, volta: estejas onde estiveres, volta, preciso de ti… Eu me distraio para não te pensar: escuto rádio, caminho pelo/no nublado, na chuva chuvisco, dou volta inteira. Desço na noite, espio o céu. Tomo banho de prazer, molho a cabeça, enxugo os olhos na toalha. Perfumo o quarto:  cheiros novos e misturados. Reviro na cama, volto ao teu olhar… Quanta saudade sinto de ti! Dos dias que te espero/ esperei, sinto saudade. Belisco os pastéis. Devoro os sonhos. Bebo sucos, escolho doces, e peço todas as empadas de camarão… Quanta saudade sinto de ti e da tua voz e da tua timidez e saudade de te sonhar. Elizabeth M.B. Mattos – setembro de 2019 – Torres.

2 comentários sobre “resmungo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s