plantar carvalho num jarro de flores

Arrasto os olhos nas letras, amanhã pensarei que sonhei, não serei capaz de acreditar que nos falamos / e nos vimos.  Misterioso caminho este da rua Vitor Hugo,  da Farias Santos, e da Vicente da Fontoura, ainda a Itaboraí.  Petrópolis com bonitas histórias desta nossa Porto Alegre. Lembranças se esfolam… Beth Mattos – maio de 2020

Mais claramente que qualquer outra demonstração, seu silêncio me revela o que ela sente. A senhora diz que ela está muitas vezes inquieta e ansiosa. Isso é prova de tranquilidade? A senhora diz que seu juízo está perturbado. Como, com os diabos, poderia ser de outra forma, no terrível isolamento em que vive? E aquela criatura insípida e mesquinha cuidando dela, por dever e por humanidade! por piedade e por caridade! Seu marido faria melhor plantando um carvalho num jarro de flores e esperando que ele crescesse, que imaginar poder fazer com que ela recobre seu vigor antigo, à custa de seus miseráveis carinhos!” (p.145) Emily Brontë O Morro dos Ventos Uivantes

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s