o que não é mais…

O tempo revirou tudo, não, não foi o tempo, nem foi o tudo. O sentimento se fez nó. Ferrolho, stop! Na ponta o limite, e…, depois, outro nó apertado, daqueles que levam anos para se desfazer, ou paciência. Perdi coragem e paciência, ou fui sempre assim mesmo apressada e distraída. Não sei. Com medo. Hoje tão fácil ter medo! Pertinente, adequado o medo. Um jeito de brincar de Estátua, Quantos passos? A delícia de cair na cama e dormir antes de fechar os joelhos. Estava a vida à frente/diante da expectativa. O anos demoravam tanto, e tanto para  o importante/ o justo/ o adequado o limite. E agora pergunto, timidamente, como estás? Com medo de receber a resposta. Estamos na vitrine, confundidos com os manequins (reler Cecília Meireles), ah! Nossos poetas! Deu saudade. Que loucura voltar no tempo! Beth Mattos – julho de 2020 – Torres

 

2 comentários sobre “o que não é mais…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s