conversas se confundem, ou ideias se evaporam…

Começo sempre com um livro aberto, o da hora. Do acaso. A ler, e repassar, ou reviver. Voltar, reencontrar…

O futuro. Este danado futuro a caminhar no meu entardecer, estremeço. Eles, os jovens, florescem. Estico o dia, mas me afundo de qualquer jeito. Posso chorar, o tempo não volta… Segue, assim mesmo, em cada um deles, estes jovens sobrinhos, netos. Volto no/ao tempo. O mesmo.

Sinto teu cheiro. Lembro das apressadas madrugadas: encantamento enfeitiçado. Abraço teu corpo magro. Lembro de Iberê Camargo: redes, laços, somos nós dois. Estamos, tu eu, gelados. O abraço incompreendido. Vieste a Torres. A pressa de sermos nós. Vês, se passaram/passou trinta anos, e foi ontem. Elizabeth M.B. Mattos – agosto de 2020 – Torres

As coisas devem ter se passado de modo completamente diverso, mas que importa, a maneira como as coisas se passam, desde que se passem? E todos aqueles lábios que tinham me beijado, aqueles corações que tinham me amado (é mesmo com o coração que se ama, não é, ou será que estou confundindo com outra coisa?), aquelas mãos que tinham brincado com as minhas e aqueles espíritos que quase tinham me possuído! As pessoas são realmente estranhas.” Samuel Beckett Primeiro Amor Este livro com tradução e desenhos de Célia Euvaldo – Cosac Naify 2004 – uma joia. Artesanal edição. Vou fotografar.

“Sim, eu a amava, é o nome que eu dava, que ainda dou, ai de mim, ao que eu fazia, naquela época.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s