lânguida primavera

Pesado sentimento lânguido, soterrado na esquisita e triste pandemia. Cruel. Não consigo entrar no ônibus com leveza.  O arame farpado das neuroses. Atravesso o vento da primavera com a coragem e a disposição para sarar o eu ferido. Ruptura cirúrgica e necessária. Mundo particular. Esfacelado. Aos poucos eu me transformo. Paradoxo caleidoscópico. Por que te penso tanto? Espero um sinal. O silêncio conversa também…  Elizabeth M.B. Mattos – outubro de 2020 – Torres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s