+ um dia

Arrastei uma manhã inteira, já quase quatro horas da tarde: vitória. Não. Não ficou tudo arrumado, a sei feito / lento fazer… Revirei as fotos, arranquei dos álbuns colantes, péssimos com aquele plástico. Tempo de imprimir fotos. E rabiscar apressado a data. Espalho aqui ali, faço um quebra-cabeça, esgravato na memória. Lamento a dispersão. Refaço. Ameaço escrever. Como disse minha filha, “sempre felizes”! Claro! Agora / hoje quero lamentar isso e aquilo. Agarrar alguma coisa, encontrar o perdido. Apreender a olhar outra vez…e os dias se arrastam…, como no tempo de ser criança. São imensos, quase vazios, e depois, depois chegam as noite longas, também as noites enormes. E os pássaros parecem certos: fidelidade, cantoria e voar, ir…

escondidas, as duas no verde, protegidas
na casa da rua Vitor Hugo, 229 – Petrópolis – tempo das festas
também Paris
Petrópolis / Rio de Janeiro / Beatriz Bohrer, e Biduca (Beatriz, lembro bem dela, ah! os nomes completos!)
Quando uma foto traz uma história não definida: saudade deste 1979 se eu tivesse ficado no Rio, se eu fosse corajosa, se eu não justificasse, mas fizesse acontecer?

O exercício do mergulho, ou nostalgia. Preguiça? Incrível confusão. Um baralho nas mãos, sem jogo. Nem paciência, nem canastra, nem… Ah! Adoro cartas! Lembro das tardes na SAPT a jogar, depois dançar. Correr nas pedras (perigoso! não sabíamos), inventar brincadeiras, espiar os apaixonados, imaginar, subir o Morro do Farol! Torres. Ah! verões de tanto sol! Elizabeth M.B. Mattos – fevereiro de 2021 – Torres, ainda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s