a me distrair pelas/nas/entre cartas

Cartas, o melhor leva e traz, desvenda, esconde. Jeito aberto-livre de dizer, não dizendo o importante, o que se esconde num ponto, numa vírgula. Na omissão. Um passo seguro, porque incompleto. O que posso fazer? O que não consigo dizer? E as pedras? Temas, leituras, bilhetes. Fica a conversa escabelada, ventosa, interrompida. Sou ansiosa. Esquecida. Tenho vontade de acertar. Isto serve? Acertar no ponto de fechar, interromper porque chegou ao fim… De repente nunca é fim, nem começo, eu me perco. Estou esperando a tua mão, o alfabeto todo. Os velhos cartazes de “VIVI VIU A UVA” … Ou muitas rodinhas até formar a letra O que não é 0 (zero), nem o A que vai ter um rabinho arrastado. Alfabetização precária. Conversa. Adesão. Estar entre as pessoas, estar. Vou fazer a caminhada, e volto para te esperar. As cartas, ou o projeto. Textos pequenos? Não sei. Elizabeth M.B. Mattos

Já demos uma rápida saída para esticar as pernas. Ontem dormimos cedo. Tantos sonhos, tantos! Acordadas noturnas. Queria estar mais em forma. Emagrecido, feito ginástica, sei lá. O corpo reclama, nada em especial, mas este amolecimento incomoda. Sabe o que penso? O medo pode ser obstáculo e… Quero enfrentar um dia inteiro, mas vou acovardando, e pronto, engulo o comprimido. Talvez seja envelhecer, não sei. Viajar também seria um treino, um susto imprevisível. (risos) Quero fazer uma viagem ao exterior com o João enquanto ainda posso. Japão seria muito dispendioso, mas quem sabe conhecer a Itália, Londres, voltar a França com vagar, devagar? Divagando…

O Balonismo acontece pela janela. De manhã bonito, mas de noite será muito mais…Aproveita a Onix esticada na almofada, olhando o céu! Pode? Hoje é a primeira prova. Acabam de aplaudir um vencedor do Paraná. E já temos uns oito balões no céu.

Filho, saudades tuas. Desde que voltaram do México a vida se transformou num ir e vir, entrar e sair de hospitais, subir e descer, como se o mundo tivesse feito uma parada de horror. Acompanhei tudo ansiosa, angustiada, numa aflição inexplicável. Sofri contigo a cada minuto. E tua voz chega pausada, num ritmo novo, com eco, e eu me lamento pelos cantos. Depois, esta fatalidade com o pai dos meninos! Ontem, por um milagre, não pensei em doença, no que pode ou não acontecer. Às vezes nos antecipamos aos acontecimentos.

Organizo o apartamento para a chegada da Joana e da Valentina. As coisas vão indo para os devidos lugares, e fico contente. Marquei a faxina no dia deixo a Ônix no hotel, não posso me afligir com a pequena. Tenho pensado muito entre Porto Alegre e Torres sem poder me decidir, mas vou me deslumbrando com a passarinhada, o silêncio, a rotina da lagoa. Mas, confesso, saudade da Tânia, das pessoas, das conversas, de um estar sem o que fazer, de participar…  Aqui tenho uma rotina que me faz limpar, ordenar, ir e vir, num movimento circular. Em Porto Alegre poderia ter uma pessoa para me ajudar, e o doméstico seria mais leve, casual. Seria? Alguém para cuidar de mim, fazer o pesado…Penso no meu pai que queria morar, como o Mário Quintana, num hotel. Viver seria sinônimo de ler, escrever, pensar, aquietar-se ou passear sem pensar a hora.

Saudades tuas, muitas. Vontade de te abraçar bem forte, ficar de mãos dadas, o pai fazia isto conosco. E te escutar por um bom tempo, apenas escutar. Esta coisa de tocar, ficar perto! Sinto a energia voltar quando o João chega/vem com aquele sorriso pronto, conversas de confidências, uma cumplicidade gostosa. Ontem lemos, juntos, na verdade eu em voz alta, o pequeno livro do Moacyr Scliar Max e as feras, o tema, e a narrativa mesmo nos prendeu. Este voltou a pauta quando o livro de um autor canadense, As aventuras de Pi ganhou um prêmio. Houve uma colagem, ou o uso do mesmo tema. Em ambos os casos, um menino, após o naufrágio de um navio, sobrevive no caso de Moacyr Scliar, com um jaguar. No livro do canadense, Yann Martel, o menino se salva com mais três feras… Foi bom discutir a questão de plágio, ler o que foi escrito na época, depois a leitura. O canadense ganhou o prestigioso Prêmio Booker de 55 mil libras esterlinas. Do outro lado do mundo escrever tem mais valor. O livro do Scliar é anterior, bem anterior.

Saudades tuas. Grandes. Um bom feriado para vocês. Cuida de ti, muito. Te amo.

                                                  ***

Filhota amada, não consegui fazer tudo, faremos juntas o que falta, mas penso nas duas todos os dias. Vamos ver umas roupas quentinhas por aqui se for o caso. As mantas serão necessárias. Te amo. Te espero ansiosa, feliz. Beijo

Valentina Valentina Valentina Valentina Valentina Valentina

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s