O sol e o peixe /prosas poéticas/ Virgínia Woolf

Somos/estamos mais ou menos perdidos por aí, a querer nos segurar / prender / plantar as raízes em lugar definido. A janela distrai, engraçadas surpresas espiar os vizinhos que se sacodem no/ao sol, também eles procuram, e se refestelam nas conversas. Não saem de pijama nem de camisola. Fazem pose, esperam o tempo passar aproveitam o sol, a chuva, a lagoa, o poder. Casa nos dá privacidade, edifício exige convivência. E este humor tão mal acomodado se enrosca dentro de mim, ora imobiliza, ora sacode. E a leitura se empilha, os textos nos consomem. E os livros não lidos ficam exigentes. E lá se aproxima Virgínia Woolf (A vida e arte – Montaigne). Eu me agito com certezas:

Pois, para além da dificuldade de comunicar aquilo que se é, há a suprema dificuldade de ser aquilo que se é. Esta alma, ou a vida dentro de nós, não combina absolutamente com a vida fora de nós. Se temos a coragem de perguntar – lhe o que ela pensa, ela está sempre dizendo o oposto do que as outras pessoas dizem. Outras pessoas, por exemplo, há muito tempo decidiram que cavalheiros de idade de aspecto enfermiço devem ficar em casa e edificar os restantes com o espetáculo de sua fidelidade conjugal. A alma de Montaigne dizia, ao contrário, que é na velhice que se deve viajar, e o casamento que, sem dúvida, raramente se baseia no amor, está sujeito a se tornar, no fim da vida, um laço formal que é preferível desfazer” (p.15)

E eu fico a me perguntar onde estão minhas verdadeiras e intensas leituras? Num saco de verduras, numa prateleira de compotas, enfiadas num canto do armário, confusas, misturadas. E a música apertada nos discos de vinil ou no rádio, na preguiça de ser diferente, reinventar a forma. Estou pior. Então?! Pelo emprestado, forma, jeito, ritmo, e vontade, desafio. Quero espichar a vontade, esticar a tal alegria corajosa. Troco de país, investigo nacionalidades. Dou risada, escolho ora isso e depois aquilo. Ora, ora… Arrastar o gosto de ser brasileiro por voluntários sem pátria, não se trata de passaporte, mas de história. Envelhecer nos faz perder a identidade, ou encontrar. Arregaço as mangas e recomeço. A bandeira pode ser preta, amarela ou cor-de-rosa, as cores são internas, eu sei. Ando com vontade de sair por aí, claro! Está proibido, então eu quero. Até falar ao telefone, eu quero. Eu quero. Eu quero. Beth Mattos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s