lápis de cor

Envelhecer junto, legal. A tribo protege, ser tu contigo, desafio bem bom! Casa limpa! Pois é! Dureza limpar e limpar e limpar, e o tempo terminou. Alguém pra ajudar e a roda volta, dinheiro, tão simples, alguém pra ajudar e massagem, cabelos cortados, vestido alegre, ócio, e o que mais? Uma xícara de chá, ou de café verdadeiro, moído na hora… Tapete persa, louça inglesa, chinesa e aromas… Não dar atenção, meia volta pra independência, sair, mas tão bom ficar! Acomodar: história de ser dois com apoio…, afinal!? Foco na filha, então caso certo, aceito, sou feliz. És feliz? Tudo bom e sólido? E tão ao acaso. (Que bom!) Pois é. Vemos o que queremos ver, caleidoscópio mágico. E ser um pode ser pesado, sou dois, que bom, e este jardim…, os cães, a receita: ser eu! Mais fácil…, depois custa só felicidade acreditar, custa nada. Aeroportos liberados, voar. Agarrada nos lápis de colorir, preencho linhas estremeço, desligo a televisão, compro a poltrona, marco limpeza. Com o amarelo, um pouco de lilás, bastante vermelho e todos os verdes possíveis verdes. Adoro lápis! Cadê o outro? Uaiiii, dureza! Sem óculos até segue…, sem lente o olhar pesa leve, na rotina caminha justo. Estou muito, muito bem, passei no teste e faço tudo que sempre fiz. Eu acredito. Claro! Conheço cada pinta, cada dobra, cada grito, cada desamor, cada tristeza, e aquela boa alegria: acertei no feijão! Corta as laranjas, já refoguei a couve. Este brinde de imaginação no melhor dos mundos possíveis fica com gosto de água gasosa e rodelas de limão. Uauuuu, Estou feliz! Feliz? um pouco mais ou menos, m pouco bastante ventoso, uma espiada surpresa neste vento no meio do sol. Que outono tão lindo! Pronto! Solução! Pego um avião e vou… Esta droga de ficar me exaspera, este jogo firme de ganhar…Não ganhei. Estou a te esperar, sem ânimo, quieta, espiando as rugas, o cansaço, a vontade de não fazer, o dormir sem sono, caminhar devagar, não voltar. Lápis de cor. Vou comprar aquela caixa de sessenta, e outra caneta Park 51, um pote de tinta. Envelopes e papel de cartas. Aquela ideia. Uma carta cada dia, dois selos, e…Beth Mattos. Elizabeth M.B. Mattos

De tudo que te disse o mais importante é a inspiração do futuro e a expiração do passado. Como um suspiro. O resto é mero retoque teórico de convencimento. Me faria bem admitir que possa fazer o bem. É um mantra – fazer o bem!” JYXZCM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s