posse verdadeira

Por certo não é tanto ver outra coisa como separar-me de tudo o que não não me é indispensável! Ah!, quantas coisas, Nathanael, poderíamos ainda dispensar! Almas nunca suficientemente despojadas para serem enfim suficientemente enchidas de amor – de amor, de espera e de esperança., que são nossas únicas posses verdadeiras.” (p.82)

Sem dúvida conheci o amor, o amor ainda e muitos outros; mas dessa ternura de então não poderei dizer nada?”(p.83) André Gide Os Frutos da Terra tradução de Sérgio Milliet – editora Nova Fronteira – 1982

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s