Elizabeth Bishop

O limite onde o que mais merece ser dito é quase impossível de dizer. É sempre IMPOSSÍVEL dizer tudo, não consigo o frontal/a verdade descascada das nuances -, seria o abismo. Quando mencionas “universos paralelos” sublinhas a vida, os sentimentos e posições sociais e envolvimentos políticos que desconhecemos um no outro, sei os teus, mais bandeiras desfraldadas, mas sinto o tanto/ o abismo: não me conheces porque, pois é, como te explicar sem dizer? A verdade tem uma conotação trágica. Para sobreviver / ou dizer / ou brincar, ou mesmo ser é preciso a máscara do teatro japonês. Por que te digo isso? Porque gostaria ter te sentido de outra forma, noutro tempo. E que mesmo em vidas paralelas tu me adivinhasses… Escorrego! Caio na tentação de voltar a te amar, e o amor não tem voltas, tem gemidos, gritos e lágrimas e sorrisos…, e presença. Não. Não sou como tu és, mas te vejo quando me olho no espelho. E nunca nos demos as mãos… Elizabeth M.B. Mattos – dezembro – Torres

” Por falta de alguém com quem conversar (estou terrivelmente sozinha aqui), acabo de reler as suas três cartas que foram remetidas e re-remetidas até chegar às minhas mãos em Nova York, e conclui que os meus magros bilhetes são ‘vergonhosos’ – e que eu a coloquei numa situação desagradável com aqueles poemas ruins.” (p.73) UMA ARTE As Cartas de Elizabeth Bishop

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s