o toque

O corpo, as voltas do corpo. A descoberta do toque perfeito: apenas com tua própria mão. Como o olhar: nenhuma descrição/ou reprodução encontra o contorno perfeito / o certo. Há o desvio. Quando passas a mão pelo teu próprio corpo, tu o sentes, e o sabes / e o reconheces. O prazer de ser, não o outro a te descrever. Elizabeth M.B. Mattos – janeiro de 2022 – Torres


Com Pedro Moog na Lattoog

São Paulo, na Alameda – cliques de Ana Moog – janeiro de 2022

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s