dor na cor violeta do caminho

atravessou-se na desordem inesperada,

tomou os braços, os dedos imobilizaram, as pernas doeram pesadas, inchadas

senti por dentro, atravessando o meu dentro.

li um livro, coloquei um disco, abri todas as janelas, voltei a um poema

sentei, deitei, caminhei

abri a caixa das fotos: namorei jardins, caminhei pelas pontes…

não saiu a dor, os remédios não resolveram, mas me amargaram mais

o doutor disse/explicou: as rosas cor de rosa se atravessaram no seu estômago, obstruíram a passagem, intactas: caule, espinhos e pétalas, rosas cor de rosa, mas tem uma vermelha aberta… talvez seja esta, a mais perigosa… depois explicou das margaridas, amassadas, grande quantidade, brancas e amarelas!

lindas margaridas! Eu sinto o perfume de rosas espalhado no meu travesseiro!

Elizabeth M.B. Mattos – 2022 – Torres

2 comentários sobre “dor na cor violeta do caminho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s