pedra lavada

Pedra lavada, escovada, ao sol, ao vento.

Silêncio criativo a remexer o tempo. Como?

Não sei se maior ou se mais grande…

Tempo preguiçoso, cruzado, talvez apressado.

Fio esticado, pensamento a vagar, devagar.

E a voz murmura, não me deixa dormir.

Então, os cheiros ensaboados me consolam. Elizabeth M.B. Mattos – abril de 2022 – Torres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s