Cada palavra é uma pintura abstrata. Uma superfície. Um volume. Superfície sobre a página. Volume na voz.

*

As palavras na correnteza da frase alcançam uma vertiginosa velocidade que as faz perder a substância.

O olho, na poesia nova, capta a palavra globalmente – a palavra objeto -, esta deslancha no psiquismo do “leitor” uma série ilimitada de ecos sonoros – depois de ecos de pensamento.

Então o corpo inteiro se engolfa nessa floresta de ecos.

*

A palavra é a parte visível da ideia como o tronco e a folhagem são as partes visíveis da árvore.

As raízes, as ideias vivem embaixo.

Pierre Garnier Manifesto por uma poesia nova, visual e fônica – tradução de Roberto Acízelo de Souza – Revoluções Literárias – Editora Argos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s