posse / poder

prazer de me apossar das coisas pelo olhar / nada de importante, só mais um daqueles enormes dar de ombros do mundo indiferente /

como faz tanto calor, a tempestade é bem vinda, necessária, não importam raios e travões,

abençoada chuva ruidosa…

a incoência de viver: sinto medo.

estarão as janelas suficientemente fechadas, a água não vai avançar? e o medo não vai passar? estou a salvo?

quando jovem uma quietude de espera, de vigilância floria o caminho, então,

a leveza transforma o sentimento alerta em prazer de agora, depois esquisitices. Elizabeth M.B. Mattos – janeiro de 2023 – Torres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s