a data

O tempo e nós. Vivo sem me preocupar com o tempo, apenas vivo. Sei bem que lá, mais adiante, precisarei contar /dar conta deste tempo. As manhã em sala de aula: momentos especiais, faço o que gosto, appreendo com eles, esqueço de mim, e recomeço. Lamento que terminará em julho, o curso. Mas não se pode lamentar. Não posso romper com tudo aquilo que me machuca, tudo que machuca faz parte da minha história e está dentro/contando / sendo este tempo. Recomeçar, o desafio, começar/iniciar/conseguir, não desesperar. Adivinhar o que não foi escrito e perdoar. Tenho atravessada a dor. Não dizer / o não escrito não pode ser sentido. Estou de volta. Incerto caminho. por que depositei confiança completa? Para eles eu era o brinquedo, não a pessoa. Brincar de marchand / brincar com arte / brincar com vitrine… A cada onda o castelo desmancha, as ondas atravessam a minha necessidade, e saem a se esparramar sem que eu possa entender. Bebo uma enorme quantidade de água, mergulho. Vez que outra, no mergulho, fecho os olhos, e vejo o interior confuso, egoísta, enxergo as carências desarrumadas… Ora! A vida é tempo, e o tempo nunca será perdido / nem perfeito…Elizabeth M.B. Mattos – janeiro de 2023 – Torres

Li tudo / reli a carta. É esquisito o diálogo, bom de repassar, de tentar, ao reler, reerguer a vontade de acertar. Não vou retomar e ou escrever agora, A proprietária do apartamento q eu estava, em Petrópolis, reclama de um vidro quebrado. Fico aborrecida e tensa. Reclama das contas que chegaram (q eu ia pagar, é claro), contas telefônicas… Hei de me ver livre de tudo. este é o sentido da noz-casa. Pequena, nossa, inviolável. Quanto aos 16 anos, um ato falho! Nasci em 1946, casei em 1968, dia 9 de fevereiro, muito quente). Nada confere com as datas que te mandei. Eu me separei com 26 anos: três filhos. Céus! Luiza nasceu em 1985. Já com dezoito anos a minha bebê. As contas e os números me assustam, Sou lenta. lentíssima, eternamente assusta. Vontade de que tomem conta de mim, para sempre cuidem de mim. Vou correndo recolher as contas lá da moça, e, responder sobre o vidro quebrado. Ah! Um lindo apartamento, uma linda vida, um bom susto!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s