Amar o amor

Dividimos categorias nas nossas relações afetivas. Quando jovens queremos amar o amor. E os amores atropelam a vida: misturados, sobrepostos como roupas de vitrine: blusas sobre camisetas, mantas, casacos sobre saias sobrepostas em volume. Moda no acúmulo de graça. Sim, namorar, beijar e abraçar é  graça. Graça de estar vivo. Então, nós mulheres atropelamos o amor com conversas confidenciais. Atropelamos o amor com vinho e morangos. Atropelamos com ciúmes e lágrimas. Atropelamos com tapas e beijos. Tudo o ser amado, e amante escuta, gosta,cheira e aperta, acha graça nesta graça. O amor dos vinte anos é assim em camadas coloridas, turbulentas, ferventes. Depois vem o desejo de confiar, excluir, engolir o amor todo, e escondê-lo lá dentro na caverna gulosa. O outro não é da vida, mas propriedade exclusiva. O outro não é parte da cebola desfolhada ou rosa mas, único. E deste único fica-se vazio, o vazio de estar velho. Ficamos nus. Sem roupa e sem cor, ao natural. Esquecemos que ainda assim é vida a vida.  É vida mesmo sem o amor amor, aquele já gasto pelos jovens… É vida na lágrima e na febre. É vida na saudade. É vida pra se fazer. Tudo abastece a chama de amar o amor: olhar o rio, o mar, as flores e o céu, as árvores, varrer a casa, pintar, bordar, escrever, consertar … Elizabeth M.B. Mattos – Rio de Janeiro

2 comentários sobre “Amar o amor

  1. É bem assim… nos perdemos no destempero de amar. Na graça do amor. No nosso tempo e no tempo de amar do outro…. mas as vezes perdemos a coragem de amar ou mesmo a possibilidade…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s