Enfrento

Detalhes: a largura incômoda da banheira, o apito do guarda noturno, o gosto estranho do açúcar que surpreende. O pão quente satisfatório. E o chá, apesar do gosto esquisito,  sorvido. Desgovernar-se. Universo aparentemente inseguro. Desatino. Palavras agressivas que se imaginam jocosas. Cansaço, exaustão. O silêncio chega conciliador. Mas o tédio agride. Espiando através da vidraça vai ponteado as pernas tortas desta, o chapéu daquele, a gordura da criança, a histeria do cachorro, a roupa esquisita daquela outra.  Enfurecida com o mundo… Enfrento o temporal, mas não consigo respirar. Elizabeth M.B. Mattos – janeiro de 2013 – Porto Alegre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s