Liberdade torcida

Os livros voltam; e porque voltam preciso guardá-los. Nas páginas deste, ou daquele autor as mesmas palavras. Ditas lapidadas reconhecidas, mas as mesmas.  Sem vaidade abaixa- se  a cabeça. E nos reconhecemos…  Então o recorte.  O dito é a voz do outro. Um jeito de se esconder, fugir a responsabilidade! Retomada,  ou talvez conclusão? Assimilei o que li, ou leio o que já é conhecido? O fermento faz crescer o pão. O espelho reflete a verdade. Estranha memória! Surpresa. Se a memória falha, se não é estudo, mas ritmo, reconhecimento prazer preenchimento água ferro … Se … O cristal ou a prece … sair, chegar compreender telefonar. Que importa? Está lá. Elizabeth M.B. Mattos – fevereiro 2013 – Porto Alegre

O que mais me irritava era que, à primeira vista, as pessoas me tomavam por bondoso, afável, generoso, leal, fiel. Talvez eu possuísse essas virtudes, mas se isso fosse verdade, era por indiferença: podia dar-me ao luxo de ser bondoso, afável, generoso, leal e tudo, mais, pois não sentia inveja. (…)

Desde o comecinho, devo ter-me treinado para não querer nada muito a sério. Desde o comecinho fui independente, de uma maneira falsa. Não precisava de ninguém, pois queria ser livre, livre para fazer e dar apenas o que ditassem meus caprichos. Assim que se esperava ou exigia alguma coisa de mim, eu dava para trás. Foi a forma que assumiu minha liberdade.” (p.5-6)

Henry Miller nas primeiras páginas de Trópico de Capricórnio

Um comentário sobre “Liberdade torcida

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s