Antiquário Azul

Foto-0057Por que temos esta tendência de guardar tanto troço inútil? A memória é assim tão pequena pra armazenar lembranças?

003

Tendência natural.  Guardar para construir nossa história. Armazenar para que um dia, quem sabe, talvez… E as caixas começam a ocupar os armários. É o medo de esquecer de lembrar. E lembranças se espicaçam, não permanecem, e se deformam. Papéis, certidões, foto são como marcos, e parte desta sonhada eternidade. A casa é o nosso museu particular. Quando nos mudamos incêndio … A cada mudança um pedaço da identidade. Mas recomeçamos… E os guardados passam a ocupar o melhor espaço. Se as lojas estivessem todas abertas para o consumo assim mesmo o vaso mais importante seria o que guardei da casa da minha avó. E se não temos nada pra guardar entramos no primeiro antiquário azul…

O último documento fotografado é o Passaporte de Francisco d’Assumpção Martins Cardozo  que passa a assinar Francisco Martins Cardozo de Mattos, pai do Pedro Alexandrino, o pai de Roberto Menna Barreto de Mattos –  meu pai. Dados  detalhados do Passaporte em Comentários. Tenho também a certidão de casamento de Pedro Alexandrino de Mattos com Maria Luiza Menna Barreto.  E  pais de Rita Menna Barreto de Mattos. Mãe de Roberto Menna Barreto de Mattos.

004Foto-0056001

5 comentários sobre “Antiquário Azul

  1. Maravilhosa esta sua descoberta,Beth. São tais documentos que perenizam nossa história, da nossa família, das nossas origens. Parabéns.

  2. Tenho o Passaporte do pai do meu avô Pedro Alexandrino, pai de Roberto Menna Barreto de Mattos: ” Concedo Passaporte a Francisco ‘Assumpção Martins Cardozo, natural de Concelho de Fontes, Solteiro Subdito Portuguez Para o Rio Grande do Sul Levando ( não consigo ler) Abonado competentemente. E cumprindo com a obrigação de fazer sellar este Passaporte com o SELLO da Causa Pública, de o referendar pelo respectivo Agente Diplomático, ou Consular, residente neste Reino – e bem assim pelas Authoridades Administrativas das Terras ..( amassado) e a todas aquellas aquem pertencer o conhecimento deste, não ponham embaraço algum ao Portador. Valioso pelo tempo de trinta dias para sahir destes Reinos. Dado em o Porto aos 22 de Março de 1843.
    Custo do passaporte 1:600rs
    Idade 23 annos
    Altura 39 pollegadas
    Rosto comprido
    Cabelo Sobrolhos Olhos Castanhos
    Nariz e boca REGULAR
    Cor Natural”

  3. Beth, que bárbaro esse texto e os documentos que você tem. Pedro Alexandrino seria o meu bisavô? Adoro árvore genealógica …tu tens ? No dia 19 pela manha li o Fabrício Carpinejar com um texto lindo “o piano da sala” aonde fala que sempre confia em mulheres que mantém um piano ….que não desprezam a herança ,dos pais, não queima a bagagem extraviada….não renega o que não é aproveitado….e muito menos jogara fora o que não é do seu tempo. Muito a ver com o teu lindo texto e os documentos por ti guardados como tesouros. Relíquias de primeira ! Obrigada , beijos com carinho da prima Luciana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s