Fragmento

“São nove horas da noite. Nesta primavera escurece tarde em Lisboa e ainda há luz do sol. Se esvai, mas existe. Vejo do meu quarto as muralhas do Castelo de São Jorge no morro iluminado em parte pelo que lhe resta de sol, em parte pela eletricidade para “tusistizar” o ambiente e fazê-lo espetacular. Esta parte velha de Lisboa – bem no centro da cidade – me emociona. Fazia calor, muito sol esta manhã quando sofregamente caminhei quilômetros a fio pela cidade, revendo cada edifício antigo, cada pedrinha na rua. Parecia o resumo (em poucas horas) de anos. ” FHT

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s