003 (2)A História do Automóvel
O automóvel que conduziu a governadora Yeda Crusius no Desfile Farroupilha, o Stutz 1928, integra o patrimônio público do Estado desde 1931 quando o governador Flores da Cunha o adquiriu. A porto-alegrense Míriam Palazzo refere detalhes dessa transação. O carro pertencia a Pedro Alexandrino de Mattos, comerciante de origem portuguesa, trabalhava com tecidos e fornecia mercadorias trazidas da Europa para o comércio gaúcho. Bem sucedido, possuía várias propriedades, entre elas as terras que hoje integram o Parque Saint-Hilaire. Nos fins dos anos 20 e começo dos anos 30, foi alto dirigente do Banco Popular. O carro era usado para conduzir a família, que residia na Rua Jerônimo Coelho, em seus compromissos. Com problemas decorrentes da instabilidade política e da participação nos episódios que mobilizaram o Rio Grande do Sul e o País naquele período, Pedro Alexandrino de Mattos decidiu vender o automóvel. A história desse que passou a ser conhecido como o veículo dos desfiles e que está exposto num dos salões do Palácio Piratini é confirmada pelas netas vivas de Pedro Alexandrino: Esther Costa e Ilka Ferreira Palazzo. O histórico automóvel foi produzido pelo norte-americano Harry Clayton Stutz, que deu seu nome  à marca. A produção se encerrou em 1935.

Na foto de família: Pedro Alexandrino Mattos e Rita Menna Barreto Mattos (a partir da esquerda. Esther, Ida, Roberto Menna Barreto Mattos (ainda menino) e Flávio M. B. Mattos.

007 (3)

Outra foto antiga do carro em uso da família Mattos.

008 (2)

Roberto no Stutz  com os amigos, e dificuldades…

001 (8) - Cópia

Resolvendo o problema.

008 (4) Roberto Menna Barreto Mattos na ‘Chácara’ hoje Parque Saint Hilaire.

 Porto Alegre – Rio Grande do Sul

003

Pedro Alexandrino de Mattos

Eu

FOTOS BETH 016

1d4298c4-63d1-4ee8-a186-d659af64a819.jpg  BETH

História Familiar

9 comentários sobre “História Familiar

  1. É bom vasculhar essas histórias de família.
    Se esse carro é o que estou pensando, há mais histórias recentes sobre ele. No final dos anos 80 os sucessores do fabricante andaram pesquisando e descobriram que havia somente uns 4 exemplares desse carro em todo o mundo. Procuraram o governo do estado porque o carro, se estivesse todo original, teria um valor histórico. Infelizmente, descobriram que estava com um motos de Opala e que o motor original estaria equipando um desses barcos de carga que andam pelo Guaíba.
    Só não sei se essa história se refere especificamente a esse carro ou a um outro semelhante, que seria de fabricação alemã. Em todo o caso, conheço bem a fonte da história e, se houver interesse, quando voltar a Porto Alegre (o que poderá ser em breve) eu posso verificar.
    Eduardo Bohrer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s