O Bolero de Maurice RAVEL

 

Detesto usar estes óculos pesados. A miopia limita. Queria só beleza, e sou esta esquisitice! Os dentes doem, o aparelho machuca. E o meu cabelo com a chuva encrespa. O vento sacode a janela. O vento assobia. O vento entra no meu quarto. Não consigo me concentrar na música. Estou de castigo. Adianta? Faço tudo às pressas… Detesto este quarto acanhado, o frio, e não ter televisão. Nenhum filme, nenhum jogo, nada. Esta música me atormenta. E dizem que o Bolero foi um sucesso! Moderno. Ruptura. Droga! Com o quê? Ravel não é piano…  Importa. Único. A liberdade de escolher me parece arbitrária. Duas músicas? E se quisesse escutar Vivaldi?  Poderia imaginar que ainda existe aquele pequeno instrumento de cordas, o cravo… Aquelas roupas de seda, veludo, renda. Nos cabelos fitas, jóias! E a intimidade. Eu seria a moça de olhos azuis, loira e linda! Aquele para quem ele toca. Mas, também gosto de violinos! A professora pediu para escutar o Bolero  de  Maurice Ravel. Escolhi a gravação da Orquestra Filarmônica de Munich! Por quê? É famosa! Gosto do espetaculoso, do brilho. Os grandes músicos são alemães! E Ravel? Tenho que justificar?! Acho que esta posição de alerta não me deixa sentir a música. Fecho os olhos para pensar. Detesto quando o professor exige o impossível. Sentir a música, escrever uma história, criar, ser possuída, possuir! Estou perdendo minha sessão da tarde! Se eu não conseguir nota boa, reprovo. E o pior é a leitura em voz alta. Aquele momento em que colegas escutam minha voz. O que estou vendo? O deserto. Areia oriental quente, areia do deserto. O deserto do filme Lawrence das Arábias. Cristaliza-se ali como crosta ardente. Os olhos azuis. E a marcha no deserto. Esta é a visão. Tám,TAM, TAM tantam…E os meus óculos pesam! Tanta areia a derreter as lentes! Esta areia me devora os olhos! A música está entrando em mim! Estou vendo a música. Areia oriental. A ventania faz com que tudo desapareça por um segundo neste deserto sorvedouro de pessoas, de animais. Deserto em todos os sentidos. A música está subindo… Marcação continuada, rítmica, monótona, e grandiosa! Recomeçamos a marcha! Alucina, encanta, vibra! Sou chicoteada pela areia. Estremeço de prazer. O deserto me desafia. O céu vermelho, azul. Desconheço esta beleza. Incomum. Escuto todas as músicas ao mesmo tempo! O, no, neste compasso violento batido. Não. Como posso descrever? Apoteótico! E não é Beethoven, deve ter apreendido com ele este Ravel. A repetição nos estremece, e se confunde com o vento que fustiga, não, não é o vento, mas areia. Vou escutar por toda a minha vida o Bolero de Ravel… Não. Prefiro  Piazzolla, muito mais latino, e quente! Adoro o jazz. E o Gerry-Mulligan faz tudo ser inquietante único. Quero o Piazzola. E dançar, e ser apertada num tango sem tango… Tudo nunca é do jeito que a gente quer. Quero mesmo escutar muitas, e todas às vezes, e todo o tempo… Escutar esta musica de Years-of- Solitude.Melodiosa.Gosto do anonimato de bar, do nada no improviso do hoje. Sem grandiosidade, sem deserto, mas assim mesmo bem sozinha…A música que se descreve! Elizabeth M.B. Mattos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s