Abraço de verão

O verão se espreguiça. Estica os dias na sensação de abraço. Calor, alegria colorida. Rua cheia de crianças, velhos, homens e mulheres que estão naquele estado letárgico do que denominamos férias de verão. Bares, calçadas maiores. Ilusão ótica. Odores suarentos.Quero casa limpa, crianças cheirosas. Quente este verão! Chuvoso também. Agora fresco. Cinza. O cinzento que lava as calçadas… Chuva conforta.  Faz pensar. O mundo inteiro se internaliza consciente. Ou é a chuva que se apresenta pensante, assustada, ameaçadora? A natureza se espreme.  Agita, transborda. Renovação necessária. Abastece o mundo de água… Mas também grita, e se desespera. Encostas escorregadiças, tomadas. As entranhas terrosas  surpreendem com raízes, pedras. Movimento veloz, violento. O homem se perturba. Mutação. Peso. Agitação! Costas curvas de montanhas que gemem.  Arrimos artificiais, invasores. Quando chove o céu reclama, o homem pensa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s