Sem prurido

É preciso hoje, não medo, prurido, nem sombras.

Encontrei num banco da lagoa uma professora conhecida. Alegre. Saia de estampa, camiseta. Boca vermelha, olhos sombreados com verde, voz cintilante. Contou da viuvez de cinco anos, do emprego na Prefeitura de Torres, e apresentou  novo amor apaixonada. Ele estendeu a mão áspera, olhou esperto, e seguiu acomodado no banco, e nas bermudas. Simplicidade domingueira.

Segui o passeio num passo lento, arrastado, atenta as corridas da Ônix. A chuva me surpreendeu. O cinzento refrescou o dia. Os dois riam solto num abraço.

2 comentários sobre “Sem prurido

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s