Tudo pode ser nada

Criatividade tem este lado reprimido que não se solta, não deixa acontecer. Ao contrário, segura, vigia, trava. É medo da exposição, da vitrine, do olhar crítico do outro. É preciso vencer a repressão. O trabalho exige a impecabilidade. O perfeito. No entanto, curiosamente, na imperfeição mora o que nomeamos original. Ceifar o que brota parece fácil porque não deixa acontecer.  Meu amigo, no eventual, no casual, e também no rascunho o espaço. É tão eventual, tão só aquele momento que termina, e se conclui, e já estamos na outra página, na outra gaveta, no outro sonho. Fazer acontecer, e ponto. Percurso, espetáculo. Sem ensaio. E, num movimento rápido, outra vez o raso, vazio. O perfeito está lá dentro, escondido no olhar do outro. Sem exposição não há nada. Se for eu, apenas eu… Bem! Então, já não existe mundo. Tudo perfeito. TUDO pode ser NADA. Elizabeth M.B. Mattos –  junho 2016  – Torres

 

 

Um comentário sobre “Tudo pode ser nada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s