Rasgar o vento

Sufocamento de azul, ou do lugar. É preciso abrir os pulmões rasgar o vento. Sem constrangimento recolher o medo, a tralha, a pilha.  Entrar no vagão e já instalada sonhar. Sem repuxar isto ou aquilo, justificar ou explicar. Olhar pela janela [ …] olhar pela janela.

Que silêncio explícito e sublinhado. Larguei tudo naquele pátio da rua Vitor Hugo… Jacarandás, liberdade e brincadeira. A risada. Tão bom!  Sou a caça, a presa aflita. Tens razão, meu amigo amado, há qualquer coisa de dramático. Vou tentar robotizar.  Preciso resolver. Outro lugar, outro caminho, outro cabelo, outro azul. Mudar …

Vamos nos encontrar naquele café da esquina. Larga tudo. E vem …

Quando a noite se transfere para dia e o dia se estende ventoso, é verdade, mas quieto quieto e quieto, dizer se mistura em histórias de sonho. Escuta o apito do trem navega de navio voa de avião, ou entra no automóvel e engarrafa.

frances

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s