Estou grávida

livro e mulheres criança

Qual o fato novo para mudar radicalmente? Estou grávida. Parece extraordinário que esteja neste estado. Entre livros e quadros, o beijo. Estou grávida. Altera tudo. Precisava confessar.  Na brincadeira o abraço do abraço o beijo agora reflexão. Não posso fazer nada. Já te disse que os filhos, os filhos chegam antes dos amores. Não é pecado.  Sou abençoada. Depois que nosso filho nascer, eu me ponho a te esperar, de certo virás me buscar, e  nunca mais nos deixaremos. Abraço erotisado outro beijo. Amar sem tempo livre livres no embalo. Pés enterrados no barro da argila, e o grande Xico Stockinger  fará novas escultura em bronze, ou ferro e madeira. Seremos o amor do amor aos setenta,aos oitenta anos.

Acabei dormindo na madrugada, agitada. E às cinco da manhã levantei louca de sono. Não estou ainda desperta. Sinto frio. De natureza acalorada, mas de noite, preciso de cobertas  e meias de lã.  Falar/saber de você é estar/ficar completamente desperta  alerta. Sim, sou cheia de medo. Contida, lenta, tensa, contraída, assustada. Tímida, alguém já me disse.  Atordoada agitada súbito no turbilhão. Preciso voltar a dormir. Apaixonada pelo texto do irlandês John Banville  …  Puro prazer.  Repeti tanto te gosto te gosto te gosto te gosto que parece surrealista expressão não sentimento. A ficção tem voz e cheiro, e  aparência.“E, eu estava me apaixonando por Chloe — ou melhor, estava apaixonado, porque a coisa já tinha acontecido. Experimentava aquela sensação de euforia ansiosa, uma sensação feliz de um despencar irremediável, que todos aqueles que sabem que devem ser a parte atuante do amor sempre sentem nesse começo vertiginoso. Porque, mesmo naquela tenra idade, eu sabia que há sempre alguém que ama e alguém que é amado, e, nesse caso, sabia muito bem qual dos dois eu ia ser.” John Banville, O mar, Nova Fronteira,  Rio de Janeiro, 2007. (p.141). Por que escrever quando todas as coisas já foram ditas todos os recursos usados. Por que amar quando as histórias de amor são as mesmas, iguais.  Por que perguntar a resposta. Continuo empilhando livros que não lerei. Esquisito sabor de amoras e pitangas gosto fresco de outono secura por dentro certeza incerta. Livros pelo chão, roupas nas cadeiras objetos passeiam …  E a droga da memória se remexe, e o mundo me atordoa. A perna segue doendo. Vou colocar os tênis caminhar com a Ônix. Tenho mais do que posso ser … mulher e o cãoEm excesso transbordo. Cuida bem de ti meu querido amado, ElizaBeth M.B.Mattos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s