do livro pra lembrança

A memória de amores amados (a vida com amor plural, um repente) acolhe fala/diz/explica, no mesmo idioma, o sentido do relevo neste mapa … Singeleza generosidade. O bom olhar, a doçura. Se amor houve há de deixar marcas na pele, no corpo da memória. Carrego saudade tristeza lágrima e sorriso misturados em boas e más lembranças. E amados amores! Elizabeth M.B. Mattos – Torres, julho 2017

“Contudo, quando já o imaginava apagado por completo da memória, reapareceu por onde menos o esperava, convertido em fantasma de suas saudades. Foram as primeiras auras da velhice, quando começou a sentir que algo irreparável acontecera em sua vida sempre que ouvia trovejar antes da chuva. Era a ferida incurável do trovão solitário, pedregoso e pontual, que retumbava […] e cuja lembrança ia ficando mais recente com o passar dos anos. ” (p.276) Gabriel García Marques, O Amor nos Tempos do Cólera, Editora Record, segunda edição, Rio de Janeiro, 1985.

ESTOU DE COSTAS OLHANDO UMA ESCULTURA LINDA foto

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s