insistência enlouquecida

Fui reler cartas que te escrevi …  As mesmas e repetidas histórias de abandono, de beleza, e de silencio velado, como criança que se faz aparecer, e depois fica envergonha. Neuroses não curadas, o meio fato, ou a meia verdade. O mesmo passado num ensaio repetido sem que exista o definitivo. Escrita circular.  A mesma história desorganizada …  Sem desfecho, sem sentido. Contada infinitas vezes, e se interrompe no mesmo ponto. Um colorindo difuso, sem o desenho. Sem consistência. Olhada do lado avesso, ou do direito, mas inconclusa E me surpreendi com este emaranhado de lembranças. Sim deveria ser organizada. E o inconstante vem junto neste modelo inacabado…E faz muito tempo alguém me disse que se lesse uma carta minha de 50 anos atrás, ou 45 anos atrás ou da semana passada, ou 20 anos ou um mês seria a mesma coisa. O mesmo interrompido e lamuriento fato. Será viver uma insistência enlouquecida de dizer, gritar e nunca compreender? Elizabeth M.B. Mattos – novembro de 2017 – Torres

Farionh pesquisar

Aquarela de Fharion – João Fahrion – pintor, ilustrador, desenhista, gravador e professor brasileiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s