depois de fazer amor

…,porque penso sem poder pensar, digo quando preciso/quero calar, e o tempo, este dia que se arrasta, …assombra meu amanhecer. Eu me perco no passo. Desapareço na memória da tua memória. Sinto o ácido da saudade. Saudade indefinida de ti …, tu que chegas tarde, antes ou depois … por favor, me abraça.  O eu do meu pensar se debruça no teu pensar. Haverá tempo, outro tempo. Em qual praça sentaremos, distraídos um do outro. Elizabeth M.B. Mattos – dezembro de 2017 – do meio do caminho, escrevo para ti.

Era estranho caminhar ao lado de Justine naquele outono manchado de lua, […] E lembrava de forma vívida que Justine, depois de fazer amor, sentava-se de pernas cruzadas na cama e começava a embaralhar o pequeno tarô que sempre estava na estante, na companhia dos livros – como  se quisesse calcular o quanto lhe restava de boa sorte depois daquele mergulho no gélido rio subterrâneo da paixão que ela não tinha forças para domar ou apaziguar.” (p.170)) Lawrence Durrell – Justine O Quarteto de Alexandria

FALANDO no restaurante

 

 

 

Recife, Oficina Francisco Brennand – foto de Luiza M. Domingues

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s