não quero ser triste

” Na realidade, a angústia  que cerca o dinheiro é muito maior do que admitimos para  nós mesmos. Não estou falando de ‘riqueza’ e da ‘pobreza’, ou seja, dos conceitos teóricos, mas do dinheiro, essa matéria cotidiana indefinidamente perigosa e única, essa coisa mais explosiva que a dinamite, dos dezoito florins e dos trezentos e cinquenta florins que ganhamos ou não ganhamos, que entregamos ou negamos a outro ou a nós mesmos … Sobre isso ão se fala. Sobre isso não se fala. As angústias diárias da vida assim se reúnem em torno dessas quantias lamentáveis, as tramoias, as fraudes, as denúncias, os pequenos gestos heroicos, as renúncias e os sacrifícios diários, sacrifícios que se transbordam em tragédias no âmbito das possibilidades de trezentos e cinquenta florins. A literatura fala sobre a economia como se ela  fosse uma armação.  Também no sentido mais profundo da palavra … (p.156) Sándor Márai – De verdade

E afinal, sinto um aperto por não ter a liberdade do dinheiro fácil. Das soluções fáceis. Do sorriso que abraça sem constranger, porque tudo é fácil. De repente a incompetência de não ter pesa nos ombros, e acabo triste. E eu não quero ser triste. Elizabeth M.B. Mattos fevereiro 2018

 

Um comentário sobre “não quero ser triste

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s