doença

[…] percebi que o desejo da arte, como o desejo do amor, é uma doença que nos deixa cegos, e nos faz esquecer o que já sabemos, ocultando a realidade.” Orhan Pamuk

Pensei. …, não tanto na arte, mas nesta desenfreada busca de amor. Do amor  sem memória pessoal / real. Numa dimensão reservada às palavras. Memória do outro a me assombrar …, tua voz a ressoar/soar … Elizabeth M.B.Mattos – julho de 2018 um sábado com sol e azul e vento.

Se pudermos aprender a parar de pensar em nossas vidas como uma linha correspondente ao Tempo de Aristóteles, dando valor a nosso tempo por seus momentos mais profundos, cada um por si,  esperar por oito anos à mesa de jantar de sua amada deixa de parecer uma obsessão estranha e risível […]” (p.311)  O museu da inocência  Orhan Pamuk

Esticaria a mão para acariciar teu rosto quando estas com os olhos marejados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s