vou caminhar

Escrever é estar junto. Tenho que reler, ler com atenção tua carta.  Voltar a terapia, ao  José Luís Peixoto, aproveitar tudo, devagar.
Hoje pensei na prisão: deixa de ser quando nos damos conta de que é mesmo prisão? Acho que sim. Aprisionamos limitações. Carências da solidão. Aprisionada ao medo. Ansiedade e pecado. Pequenas fugas escondem o limite de poder fazer ou não fazer. Sigo ordenando (palavra repetida, o mesmo ranço)  livros, e não encontro o livro citado… Não há tempo para esta desordem que faço, inclusive, com a leitura. Estou a te escrever inquieta neste cinzento da manhã. E tanta chuva!
Do teu aniversário. Gostei. Gostei da ideia de ires ao encontro do amado. Do deslocamento. Bom que já estás bem. Adoecer é como voltar ao perigo. Coisa boa ter este desdobramento de saber do trabalho, mesmo deslocada. O lugar passa a ser apenas  passagem. Sinto uma doce inveja do teu foco. Preciso viver. Intensificar.  Vou caminhar. Elizabeth M.B.Mattos – janeiro de 2017 – Torres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s