biografia da autobiografia

Sempre a retocar a autobiografia, a história deles, delas, a minha. Encontrar os amados. Redefinir e acrescentar ao currículo os livros lidos, os possíveis. Ninguém quer  saber de confissões arrancadas de dentro, aos pedaços. Há que ser apenas a verdade.  Dos maridos infiéis ou  desastrados. Das separações ou injustiças.  A linha deve ser luminosa, redefinimos. Mãe inteligente, pai provedor, carinhoso e gentil. Avós presentes. Tios generosos. Irmãos atentos, prestativos, acolhedores. Sobrinhos gentis, netos encantadores. Primos e primas bem sucedidos. E um quintal, um jardim.  Aquela poderosa bicicleta. Amigos, e todas as festas. Brinquedos. Música. Quero lembrar dos bailes, das aulas de francês, dos bons professores, da melhor escola de inglês. Do colégio escolhido. Dos inumeráveis amigos. Do bom lugar de viver. Ruas com jacarandás floridos, e calçadas iluminadas, brincadeiras incansáveis e noites de verão. E da beleza, naturalmente. Ao escrever as cartas aflitas na madrugada, removo a tristeza e…

Inúmeras vezes, repetidas vezes, reescrevemos o amor. Aqueles que terminaram porque se esgotaram. Os arrancados do amor porque já morreram. Os sonhados. Revisamos amigos: antigos e velhos amigos, e namoramos o novo. Aquele que não se aproxima, e está tão perto! Misterioso motivo apertado na esperança de que o presente, o dia de hoje importa mais. Nós nos iludimos e corremos, interrompemos qualquer alegria na imaginação do impossível. Somos o que não podemos.  Somos eternos. Elizabeth M.B. Mattos – setembro de 2019 – Torres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s