Carta um(1)

Carta 1

Se estou na praia, determino, mentalmente, que o ideal/perfeito seria a montanha. Quando as vozes me atropelam quero a angustia do silêncio vazio. Ou seja, esta danada idade de setentar é uma tentativa audaciosa e covarde ao mesmo tempo. Não me proponho a enfrentar. Sabes bem que antes eu me enfeitava de fazer, de limpar, de arrumar e comprar flores na feira de sábado, picar frutas e comer espinafre. De um certo modo bastava isso. Se alguém telefonava para contar do calor, do frio, do excesso de trabalho, ou da falta de dinheiro, eu podia/posso/poderia acolher. Mas o que pretendo te dizer hoje nesta primeira carta, a número um deste ano. Não me satisfaz, não me aquieta, não melhora meu sono. Ou melhor, estou péssima. Indiferença mortal definitiva fez/faz um círculo a minha volta, estou prisioneira. Gostaria/deveria ter podido estudar e entender a matemática e seu número infinito, ou a lógica, e as certezas. Ao contrário… Desaprendi com o passar dos anos a escrever e a ler. Assim, a fragilidade dos desenhos são meu único refúgio. Sim, seguirei a te escrever em áudio. Terás a minha voz a te contar o que importa. De manhã, altiva. A tarde já querendo te segurar. De noite  a voz estará/será escura. Um beijo com saudade e aquelas despedidas todas que se fazem necessárias ao escrever. Beth Mattos, reduzida ou Elizabeth M.B. Mattos, como preferes. Janeiro de 2020

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s