farpa/ideia/ou

tenho uma ideia a meu próprio respeito/imagem mais , ou menos livre. Agregadora /idealizada, ou mais ou menos comum, contudo, não é a verdade. Não a palavra que defina o fato / nem a pessoa/ nem uma ideia ou fantasia. Não consigo fazer real o Eu despido, nu pronto para ser ele mesmo. A cada passo uma direção nova/outra uma tentativa de revelação confessional, e mais nos afastamos da verdade -, o /DES / velamento transforma o velado / o escondido em mais mistério/aumenta o mistério, e fico mais distante ainda da possibilidade de RE /VELAÇÃO . É uma velação / um esconder constante que se repete…

Não deveria estar naquele lugar, não dveria estar com aquelas pessoas

O impulso de carregar , guardar, fazer, desaparecer aquele objeto certo/único

A idade envelhecer / exige exercício de largar / distribuir / entregar:

DESPEDIDA CONSTANTE

quando a cabeça se solta a pensar desgovernada, não escreve, mas sente, e de todos estes pequenos sentires nascem flores, tantas flores! Tenho que prestar atenção. Beth Mattos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s