achegamentos clandestinos

Quando nos lembramos do que fomos, sempre vemos aquela aquela pequena figura e sua sombra, tal qual um visitante atrasado e inseguro parado na soleira iluminada, ao fundo de um corredor que vai se estreitando por força de uma impecável perspectiva.”(p.91) Vladimir Nabokov ADA ou ARDOR – CRÔNICA de uma FAMÍLIA

Quando nos lembramos do que fomos misturamos alegrias, esquecemos dores maiores. Descrevemos uma ideia precisa de como os pessoas nos viam/avaliavam e lembramos da ternura descompromissada do tempo: deformamos…Beth Mattos – setembro de 2020 – Torres

No curto tempo que fiquei casada com G. tivemos três apartamentos, nos mudamos muitas vezes, e ainda escolhes o sítio Arapiranga para morar, escapando da cidade. Levamos nos bolsos os mapas do que deveria ser felicidade. As conversas eram longas e imprecisas e o tempo foi apressado, a galope nos convenceu: são felizes. De certo somos mesmo felizes a cada pequena etapa, somos felizes um dia e uma semana, choramos uma semana inteira, mas reagimos e recomeçamos a tecer o bom tempo colorido.

As primeiras e frenéticas carícias foram precedidas de um breve breve período de estranhos embustes, de torpes dissimulações.” (p.81)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s