memória das justificativas inexplicáveis…

1.

Nada fácil entrar sem quebrar a casca, deixar escorrer o que importa, guardar o essencial, não é fácil. Malabarismo. Desviar das pessoas, dizer a verdade, sentir intensamente. Como todos os sentimentos intensos nos são vedados, somos metade. Nos enfiamos na vida do outro, na metade e respiramos. Os homens foram por muitos, muitos e muitos anos escudos da beleza, da feminilidade, da palavra até de uma mulher. Um jogo estranho, afinal somos seres humanos, e deveria ser irmandade. Não. Há a tal guerra de vaidades, aquele comportamento ligeiro, descuidado de uma pessoa com a outra. Um descaso aparente, mas sempre descaso certeiro.

A vacina chegou cedo para mim, pragmático? De certo terei outras oportunidades, outras vidas, ou já sou a sobra de vidas vividas. A minha alegria espanta o dia porque não tenho motivo nenhum para festejar, igual festejo. Costuro os humores carregados. Desligo as vozes cruéis. Protejo os olhos do sol. E deixo a chuva me dar prazer. Uma observação esquerda vira direita. Um jogo de acertar, de perder e ganhar como quebra-cabeça.

Eu volto as mesmas histórias quando se trata de descobrir o caminho de chegar na paz. Paz serenidade, encontro e amorosidade.

Aquele rapaz que encontrei aos dezoito anos tão disponível na casa do meu primo Eduardo era um engodo certo que se pretendia político. Ah! Se eu soubesse o perigo destes almofadinhas! Era irmão de uma colega de colégio. Daquela facilidade com armadilha. Desprevenida, atabalhoado e alegre. O Colégio Bom Conselho parecia apenas festa, o rapaz era azul naquele mundo. Incorrigível distraída, e mergulhada em futilidade objetiva, noivei.  O rapaz, brinquedo de sonhos, indeciso se deixou conduzir (inadvertidamente brincou e brindou e puft, desapareceu…), Cerimônia século XIX, romance rosa de M. Delly, céus! O divertido enxoval, e preparativos não deixou tempo para pensar. Meninas se casavam cedo: estaria no calendário daquele ano. Noivado morno de beijos sem abraços, apenas gustativo nos jantares, nas horas marcadas. Céus! Como o meu romantismo de revistas em quadrinho, e conversas avoadas me fizeram voar… L.A. era de uma vaidade inquestionável e raso sentimento. Nada percebi, aliás, eu não sabia nada de mim mesma, como saberia alguma coisa de nós? O carimbo feito do mesmo jeito espantoso e coerente veio em seguida: personalidades encolhidas, canhestras e sem brilho, alguma coisa devo ter feito, coisa indevida. Depois de sete ou oito meses o mesmo pai engravatado e cerimonioso, sem maiores explicações, veio devolver a menina descompromissada demais, irreverente demais, e ou milhões de coisas que não sei. Fiquei chocada, estupefata. Fiquei marcada. Fiquei ferida. Fiquei machucada. E me levaram para o Rio de Janeiro. Elizabeth M.B. Mattos – novembro de 2020 – Torres

Clarice Lispector e suas mágicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s