“As lembranças da felicidade passada são as rugas da alma!”

Escrever pode ser exaustivo: tudo já foi dito e escrito. Qualquer sentimento, qualquer beleza, dor, saudade (como a que sinto no teu silêncio), foi expressa / explicada. Não adiante se desviar. Escrever deveria / deve ser mapear leituras. Beth Mattos

As lembranças da felicidade passada são as rugas da alma! Quando se é infeliz, é necessário expulsá – las do pensamento como fantasmas zombeteiros que vêm insultar a nossa situação atual: vale mil vezes mais abandonar – nos às ilusões enganosas da esperança, e sobretudo fazer boa cara à má fortuna, evitando introduzir alguém na intimidade de nossas desgraças. […] à força de ser infeliz, a gente acaba por se tornar ridículo. Em tais momentos horríveis, nada é mais conveniente do que o novo modo de viajar, cuja descrição se acabou de ler. […]Fiz, então, uma experiência decisiva: não só consegui esquecer o passado, mas até tomar valorosamente o meu partido sobre as penas presentes. O tempo as levará, disse eu para me consolar; ele carrega tudo e nada esquece, ao passar; e, quer queiramos detê – lo, quer o afastemos, como se diz, com o ombro, os nossos esforços são inúteis e nada mudam ao seu curso invariável.[…] Quando os homens se calam, quando o demônio do ruído está mudo no meio do seu templo, no meio de uma cidade adormecida, é então que o tempo eleva a sua voz, e se faz ouvir à minha alma.” (p. 269) Xavier de Maistre Viagem ao Redor do Meu quarto

Há sempre um novo jeito de lutar. Esperar. Acreditar um na palavra do outro. Derramar sentimento, o verdadeiro, e o inventado, mesmo a fantasia pode ser o melhor para viver agora. escuta. Eu não consigo te esquecer.

2 comentários sobre ““As lembranças da felicidade passada são as rugas da alma!”

  1. Fazes da tua arte a compressão do caminhar da vida envolto numa narrativa das emoções mais significativas da existência ! Sou um bebedor das tuas inspirações……..grato

    • Obrigada Antônio, conversar importa. Um alívio! Se imagino ser possível estar numa ilha, ou na caverna, eu desespero, nós precisamos do olhar e o toque, afinal, da palavra..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s