você é inalcançável

Fiapos fazem a manta: leituras curam a inquietude. Sim, é preciso ver gente/pessoas, falar, pensar e dizer. E não é preciso / não posso ver/olhar ninguém para produzir, ou sentir. Tudo calmo, seguro, sem medo. Em amor deveria ser assim. Procuro o amor amado. Persegui o encanto da escuta, da palavra, também da alegria. Há de haver/ter risada e mais prazer no tato, no beijo, no abraço neste amor de amar. E as sombras desenham histórias, voltas e reencontros.

Quanta paz seria preciso, no silêncio das catedrais… Na França entrei nas igrejas, nas possíveis, nos santuários. Deixei um pedaço do que eu fui, uma agradecimento, um pedido. Em Rocamadour por ser um templo de amor sexual, sensual, erótico, eu chorei. Estes infernais amores se misturam. Elizabeth M.B. Mattos – julho de 2021 – Torres

Onde estão as explicações narrativas? Um dia eu conseguirei / conseguirei desenhar? Não sei. Colorir, Talvez…

“Minhas cartas partem no seu encalço, mas você é inalcançável.”[…]

“Vamos nos encontrar no outono? Estaremos juntos em Feodóssia? Você, depois da viagem ao exterior, e eu, depois da cólera, talvez tenhamos muita coisa interessante para conversar. Vamos nos encontrar na Criméia em outubro. Não vai ser maçante, dou minha palavra. Vamos escrever, conversar, comer… Em Feodóssia, já não há cólera.” (p.243-244) Anton Tchekhov O assassinato e outras histórias”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s