des fazer / des costurar / desimaginar

Os vidros cheios de maresia, de terra. Através dos vidros…,(tudo o que observo,/olho nestes três pontinhos). O sol veio. Logo desaparece. Vontade chega forte, voluntariosa, mas, desaparece. O café com leite, delícia. Depois, a surpresa deste vagar cansado, manso. Sem respirar, por quê? A pandemia com gosto/cheiro forte, mas logo se dissolve: desmancha com o vinho. Não consigo segurar / agarrar: os dedos perderam o comando, a mão, a força. Bobagem! Vou encontrar a fresta, o bom desenho. O quadro de mulheres, o livro se abre em / com explicações. O gosto me agarra pelos calcanhares, eu me sento, outra vez, contrariada. Se a tarde caminhou tão apressada, eu preciso descansar. Elizabeth M.B. Mattos – outubro de 2021 – impaciente, ranzinza, mal humorada

quantas horas no museu, e a vontade de reproduzir, ou desenhar os pés, aqueles que se movem

“Só os estranhos pensam uma biblioteca apenas como um conjunto de livros. É muito mais: não é preciso ter lido Borges ou Foucault para saber que, para quem estuda, a biblioteca é o compêndio do mundo, senão o próprio mundo; e os livros, todos os livros, são a chave para tentar compreendê-lo. A biblioteca particular do intelectual, então, é “um diário íntimo”, o espelho de uma aventura humana: os livros lidos, os nunca abertos, os encontrados após uma longa busca, talvez por acaso, num sebo, aqueles recebidos por pessoas amadas, ou menos amadas; as dedicatórias, os catálogos dos museus e das mostras visitadas; as marcações rápidas, as anotações nas margens brancas, os papeizinhos redigidos, confiantes de que, no momento certo, servirão. Nos livros ficam cartas, bilhetes de viagem, papéis de hotel; há até quem esconda dinheiro nos livros. Mas, sobretudo, a biblioteca é ordem: para que seja possível reencontrar entre tantos livros os de que precisa, eles devem (ou deveriam) ser organizados segundo uma taxonomia a mais pessoal que se possa imaginar.”

[…]a arte é busca, e não representação, da verdade.”

Giulio Carlo Argan A Arte Moderna na Europa de Hogardth a Picasso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s