envelhecer o tempo

O tempo envelhece, nós somos parte ínfima deste envelhecer, o esquisito deste tempo somos nós a envelhecer…

Um estranhamento.

Congelo a memória, e depois, com o sol ela vai derretendo, aos poucos aquela água transborda, as pétalas pesam… as pétalas das rosas do jardim da Marina.
Aquela história, aquele colorido, aquele tempo encolhido, enfiado na caixa amarela, a remexer a memória do tempo, não apenas o meu, tanto tempo!
Angélica / Lygia Bojunga Nunes: o teatro, os alunos a Escola da Vila São João – alegria de

alegria, de lecionar, de estar lá, e o poder envolver o tempo!

De viajar / acertar Limoges, estar na França.
Depois a nostalgia, a despedida pode ser um encontro / e foi perfeito ir / voltar / estar e ter Torres.
A Dark, fazenda Santa Branca – Rio Pardo também, Santa cruz do Sul – seria eu? Outra vida a passear!
É o tempo passando / ou sou apenas eu a envelhecer? Elizabeth M.B. Mattos – junho de 2022 – Torres –
As cores do cabelo, as possíveis, a mutação! Mutações!
Ana, eu, Luiza e Cláudio Bohrer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s