sem revisão

sem vontade de seguir; quero os teus pincéis, todos, e as cores também;

preguiça de riscar, então, esparramo amarelo no verde e tem calçada…

gosto de pisar no macio deste tapete, gosto de esperar o teu cheiro pêssego chegar, gosto das ameixas da terra, e deste dizer, ‘vem cá’, e, eu não vou…

agora, tenho pensado tanto nestas coisas boas de chegar: chegar mais perto, chegar no teu abraço, chegar na tua saudade, chegar naqueles lençóis brancos, macios,

chegar no teu desejo…chegar na areia da tua confusão: pedra, concha, e sal. Por favor, não importa qual idioma, explica o que sentes / faz eu entender um pouquinho disso tudo. No meio da tua conversa em chinês, ou foi polonês? Ah! Eu escutei, mas ainda não compreendi meu querido. Escreve. E me diz/conta como te sentes, como foi esta volta/este susto de arrepiar. Como foi tua dor, como foi voltar! Elizabeth M.B. Mattos – janeiro de 2021 – Torres

2 comentários sobre “sem revisão

    • Quero as nossas madrugadas nas palavras! Sempre remexemos e misturamos nossas histórias, eles se costuram sozinhas possuídas das próprias magias Fernando! Vamos deixar os textos se misturarem!? Obrigada por te aproximares, eu me renovo!

Deixe uma resposta para Fernando José Valente de Senna Júnior Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s